Sofia Batalha, a autora

Curso Feng Shui Lunar

Uma Casa Feliz

Coleção Casa Simbólica

Curso de Feng Shui no IMP

Vamos então explorar a sala de estar enquanto divisão simbólica. Ela representa e deve ser um altar à expressão pessoal de cada habitante da casa.
É de facto um espaço de expressão pessoal, identificação visceral, de co-criação, uma espaço familiar, um ponto de convergência, que deve ser seguro, que permite estar e ficar e uma divisão de fusão.
É onde se devem encontrar as chaves simbólicas que abrem memórias, experiências e associações de cada família ou conjunto de moradores, imbuindo subtilmente o presente com o passado empoderador.
O objectivo desta divisão é iluminar a importância da personalidade de cada morador em conjunto com momentos e lugares significativos do passado. Não tem nada a ver com perfeição de revista, mas um conforto e identificação visceral e profunda com o ambiente co-criado.
A sala de estar é uma representação tridimensional da identidade dos habitantes, uma expressão de quem são e dos seus interesses.
Quando o ouvido está afinado conseguimos ouvir as vozes presentes. Esta é uma sala familiar, que tem também ligação a padrões, à história da família, traduzindo os seus valores, significados e regras. É uma divisão para ser vivida, permitindo-se estar.
A personalidade da sala de estar é formada tanto pelas experiências passadas como pela natureza e temperamento base dos habitantes actuais.
Criar uma sala de estar agradável, que faça a fusão da expressão de todos os habitantes, é o desafio. É importante que toda a gente que viva na casa se reveja na sala. Deve ter espaço para todos, mesmo que em tarefas diferentes, distribuídos por micro-ambientes.
Esta divisão relaciona-se com a forma como nos damos aos outros, como os habitantes se expressam e demonstram o seu lado de convivência social, como os moradores se relacionam entre si. Além de quem reside e vivência a sala diariamente, é importante tomar consciência de quem tem permissão de entrar nesta divisão. Se está aberta a todos, ou se as barreiras e reservas não permitem a passagem de mais ninguém. Não há certo nem errado, há personalidades diferentes que precisam de ambientes diferentes. Uma família mais activa e descontraída pode receber muita gente de surpresa, enquanto que habitantes mais reservados precisam que a sua sala seja exclusiva, segura e activa. É importante perceber qual o fluxo natural da família.
As salas devem ser um ponto de convergência das várias personalidades e expressões da casa.