Este é um tema polémico que já foi muito discutido por vários profissionais e mestres de Feng Shui.

Assim como a visualização da lua é espelhada no hemisfério norte em relação ao hemisfério sul (a lua crescente a sul do equador é o C, enquanto que a norte é um C invertido), é preciso não esquecer que todo o Bagua e guas activos ao longo de um ano solar podem mudar também.

Todo o sistema conceptual e cosmológico que dá base ao Feng Shui foi criado a partir de observações a norte do equador. Esta questão é de extrema importância, pois o ciclo temporal de um e de outro hemisfério é em espelho, enquanto que no norte é verão, no sul é inverno e vice-versa.

O Bagua como mandala temporal reflecte este movimento cíclico do chi ao longo de um ano. Se no hemisfério norte esse ciclo tem um sentido yang, no hemisfério sul terá um sentido yin.

Em abordagens clássicas o chamado Norte virtual é usado como referência para adaptar o Bagua à planta da casa. No hemisfério Sul a referência pode passar a ser o Sul simbólico, relacionado também com a casa 1.

Especificamente em relação a uma abordagem mais intuitiva e simbólica, como é o caso do Feng Shui Feminino®, o bagua aplica-se de forma igual ao hemisfério norte pois foi entretanto convencionado, por inúmeros praticantes, que de alguma forma há um eco da energia subtil que o organiza por todo o globo. Dentro da lógica desta energia poderosa mas subtil mantém-se a organização e sequência de cada gua.

Poderá ter interesse:
O Bagua.
O Bagua como linguagem sagrada.
Colecção Casa Simbólica

Sofia Batalha, a autora

Coleção Casa Simbólica

Curso de Feng Shui no IMP