Tartaruga Cósmica

Um dia destes sonhei que me envolvia uma gigantesca tartaruga cósmica. O seu corpo grandioso e venerável fluía através do cosmos, era o cosmos e o próprio espaco-tempo, e movia-se imponente e majestosamente. Um lento e vasto animal, que continha este universo, e que me dava uma mão cheia de sementes. A cena repetiu-se pela noite fora: em silêncio ela flutuava imponente e esplendidamente pelas galáxias, e apesar do seu imenso tamanho, largava suavemente algumas sementes na minha mão, enquanto me olhava. A sensação foi de responsabilidade visceral e carinho profundo por estas sementes-estrela.

🌳 Estes vários livros são como vários territórios, lugares diferentes de resgate da polimorfa Imanência. 

Peregrinações caleidoscópicas em profundidade, às raízes da identidade moderna, em todos os seus preconceitos, intrínseca violência e absurdas limitações. Diferentes jornadas de amor pela poesia da complexidade, da diversidade e da metamorfose. Tecelagens de histórias vivas que nos recordam do que esquecemos, da sacralidade do chão e da Vida. Complementos ao vício da transcendência, em rigor e responsabilidade.