Sofia Batalha, a autora

Coleção Casa Simbólica

Curso de Feng Shui no IMP

Cozinha e Feng Shui

Cozinha e Feng Shui estão intimamente ligados, afinal, todos temos uma relação profunda e intima com o ambiente que nos rodeia. Todavia, antes é importante percebermos que tal envolvência está constantemente a afectar-nos. Simultaneamente, também nós deixamos a nossa marca distintiva em tudo à nossa volta.
Assim sendo, o sentido interno do mundo à nossa volta relaciona-se com o Feng Shui, estabelecendo-se uma relação bidireccional de reacção, que pode afectar-nos física, mental ou emocionalmente.

Nesse sentido, o Feng Shui observa a realidade como padrões energéticos que interagem e que se influenciam mutuamente. Segundo esta ferramenta ancestral, vivemos num universo dinâmico, onde a energia está constantemente em movimento. Energia que é transformada, influenciando tudo à sua volta.
Contudo, o Feng Shui é um sistema altamente desenvolvido e, como tal, deve ser usado com inteligência. O bom senso é sempre também importante, pois todos somos diferentes. Ou seja, cada casa é diferente, logo cada cozinha especial. Enquanto habitantes privilegiados do nosso espaço privado, devemos de experimentar as várias diferenças de ambiente e confiar nas nossas sensações e intuições individuais.

O Feng Shui analisa e interpreta não só o mundo visível, mas também as forças invisíveis que moldam a nossa realidade.

Assim sendo, padrões recorrentes de transformação perpétua tendem a equilibrar-se. Isto é, há uma tendência para a harmonia. De uma forma geral, percebemos apenas as formas mais óbvias de movimento, como o vento, o tráfego ou a água. No entanto, estamos muito menos conscientes da energia subtil que circula nas nossas casas. Refiro-me, por exemplo, às vibrações nas paredes ou na decoração.

Os 5 elementos na cozinha

Quanto à cozinha e Feng Shui, importa perceber que este espaço contem os cinco elementos fundamentais da metafísica chinesa:

  • o fogo que cozinha
  • a água que limpa
  • a árvore que alimenta o fogo (hoje em dia, através da ventilação)
  • o solo nas mesas, mas também nos armários
  • metal nas facas, talheres e panelas.

Assim sendo, se cozinhar num ambiente em desequilíbrio ou em conflito, essa energia é absorvida pela comida. E, posteriormente, é transmitida a quem come, impactando-a de uma forma negativa. Assim sendo, a cozinha deve ser uma divisão segura, bem localizada e protegida. Se considerarmos a casa como um sistema energético sempre em movimento, então, a cozinha é um centro energético poderoso. Afinal, além de afectada por, também influencia fortemente o sistema da casa.

 

Cozinhar é um acto ritual

Na China, o acto de cozinha ocupa um espaço central na cultura, mas também nas artes curativas. Tal acontece também noutros países e culturas. Mesmo hoje em dia, as nossas cozinhas actuais são um protótipo da forma de cozinhar e da domesticação ancestral do fogo.
Na antiguidade, a procura de onde viver estava directamente dependente da comida: onde a encontrar, onde a guardar e como a cozinhar. Desde a antiguidade, há quem diga que o poder espiritual da mulher se encontra precisamente na cozinha. Tal, deve-se à sua capacidade de fazer alquimia, entre os ingredientes, as emoções e o fogo, para nutrir a sua tribo. Em suma: é o coração da casa.

Não podemos negar que a cozinha é um local de transformação. Ou seja, uma divisão onde vários tipos de energia se intersectam. Afinal, tudo o que entra numa cozinha é transformado de alguma forma. Esta lógica poética, é também muito real fala do ciclo energético, não só da preparação da comida, como também do comer e da alquimia emocional que acontece nesta divisão.
Assim sendo, podemos afirmar claramente que a cozinha é um local de poder, pois contém mais formas energéticas que no resto da casa, assim como mais poderosas. Sem dúvida que é a divisão que contém o espectro energético total de uma forma intensa.

 

Dicas de Feng Shui para a cozinha

Segundo a lógica do Feng Shui, há uma paisagem energética cuja estrutura pode beneficiar a organização de uma cozinha.

Confira algumas dicas de Feng Shui. Quando o tema é cozinha e Feng Shui, a referência central da divisão é, sem dúvida, o fogão. Nesse sentido, o fogão representa poder de transformação e cura. Isto é, é um elemento de transmutação, cura, aquecimento e nutrição.

No centro, está o cozinheiro e o fogão, ambos representados por uma energia de comando, sempre protegida pelas forças envolventes, bem informados de tudo o que se passa. Agentes poderosos, previdentes e prontos para agir. Em frente ao fogão, deverá haver uma estrutura de proteção, protegendo o acto de cozinhar, assim como o fogo sagrado de qualquer distúrbio. Virado para o fogão, do lado direito, temos uma energia ascendente, que traz capacidade de visão e inspiração – é o melhor local para colocar armários ou frigoríficos altos. Já do lado esquerdo, do fogão encontra-se uma energia mais caótica e imprevisível, mas muito poderosa. É onde devem ser colocados armários mais baixos de forma a manter esta energia poderosa controlada.

Uma vez que a cozinha é um ambiente volátil, é importante que seja funcional e seguro. Verá como um bom posicionamento estrutural, permitirá a energia da comida e dos habitantes ficar mais estável e próspera.

Artigo presente no 2º Número da Revista Vento e Água – Feng Shui Lifestyle