Gritos-Oração

E este é um espaço-tempo de preces bradadas e orações gritadas.
Umas arcanas e outras recentes.
Uivos das vísceras-coração, que respiram e são selvagens.
Ofereço-vos para que nos transformemos em conjunto.

Algumas destas orações podem ser encontradas nos meus livros.

{geral} . {contos} . {gritos-oração} . {sonhos}

Encantar o Monstro

Encantar o Monstro

TEMPO DE LEITURA - 4 MINUTOSPARTE I - Encantar o Monstro PARTE II - A Potência da AnimaEncantar o Monstro Lá de longe escutava a melodia que me invocava. Que me puxava e enlevava. O meu grande corpo ondulante serpenteava lentamente na sua direção. ~ Lá dos ermos...

Habitar o Habitat

Habitar o Habitat

Habitar o Habitat (*) Viver, habitar, morarAntes de apenas ter, segurar e possuirHabitar era dar e receberEnvolver, sintonizar, testemunharCuidar e responsavelmente reciprocar. Voltar a habitarÉ narrar a paisagemEm fabulações precisas E interstícios desajeitadosNa...

O Fervilhar

O Fervilhar

O Fervilhar Há um fervilhar  Uma ebulição arcana Como o ruído branco do próprio universo Uma efervescência contínua de devir Mesmo aqui debaixo dos pés Um fervor que faz o micélio crescer ao ritmo de batidas dançantes Um enxame que uiva com o vento Uma memória onírica...

Quando o Medo nos entrou

Quando o Medo nos entrou

Quando o medo nos entrou   Separou-nosEsgaçou o parentescoDiminuiu a relaçãoElevou muros e paredesIgnorou os ciclos Quando o medo nos entrouAgarramo-nos a ele como a única realidadeAcomodamo-nosDomesticamo-nosRasgamos as possibilidades de inter-serDe tão...

Mitologia Crua

Mitologia Crua

Mitologia Crua Dissolver os binários, linearizações e absolutismos culturais. É desafiante, porque a Vida não é apenas lógica ou racional. Abrimos ao desafio da contra-narrativa nos interstícios do mamífero que somos, no luto por não percebermos que fazemos parte de...

Lamento que achemos que Lugar não é verbo

Lamento que achemos que Lugar não é verbo

Lamento que achemos que Lugar não é verbo. {mas como a palavra lugar não é um verbo?!} Suspiro a que possamos re-escrever o Território como ações e movimentos. Como limiares e transições, de espaços, corpos e tempos. Vastos e minúsculos. De carne porosa que transborda...

O Chão Líquido

O Chão Líquido

O Chão Líquido A vida tira-nos o tapete O chão foge debaixo dos pés Deserta Desaparece Desvanece Os pés dançam pendurados Sem sustento ou amparo Deslocam-se sem rumo Procuram chão Procuram sempre chão firme. Mas o chão move-se Inexoravelmente O chão líquido Ondeia...

Debaixo da barriga suave das Infra_Estruturas

Debaixo da barriga suave das Infra_Estruturas

Debaixo da Barriga Suave das Infra_Estruturas O Chão ruge, rasgado, estrangulado, esmagado, sufocado.   Ao longo de milénios, nós, no Ocidente, abandonámos os protocolos devocionais do Submundo em favor das infra-estruturas e comodidades da civilização. Cortámos...

As coisas fundas que precisamos desaprender

As coisas fundas que precisamos desaprender

As coisas fundas que precisamos desaprender As coisas fundas que precisamos desaprender precisam de tempo. Porque é no contraste entre a tensão e urgência e a hibernação mamífera que se alquimizam. As coisas fundas que nos desafiam precisam de espaço para poderem ser...

O Olho do Paradoxo

O Olho do Paradoxo

O olho do paradoxo  Aqui no fim do mundoO amor e o desespero caminham de mãos dadasO humor brilhante e as gargalhadas que fazem doer a barrigaacompanham as lágrimas grossasO luto doloroso mantém o espaço aberto ao que emergeA loucura e a sanidade sustém a...

Imaginação Viva

Imaginação Viva

Falamos de imaginação viva A que nos invade e fertiliza A das ideias e intuições que nunca foram apenas nossas Dos sonhos que sempre foram porosos e situados Da que brota em cada semente E debaixo de cada pedra Falamos de imaginação ecológica A sagrada imanência...

Homo Velox Laboris

Homo Velox Laboris

Homo Velox Laboris MineramosExtraímosTiramosVeloz e incansavelmente DevoramosLaboramosEsforçamosProduzimosCansamos TarefasIdeiasMatérias Sempre cada vez mais rápidoDevoramos mais fundoMais alémE aqui Sempre em fuga velozAtarefadosExtinguindo a vidaComendo tempoE...

O Abraço das Costelas

O Abraço das Costelas

O Abraço das Costelas ❤️ Abraça-me, pediuOs suaves pingos da chuva envolvem o seu corpoAs costelas, os dedos carinhosos que abraçam com ternura o pulmõesQue seguram o ritmo do coraçãoQue amparam os delicados tecidos e finas membranasA caixa torácica que...

O Vazio

O Vazio

O Vazio   Ciclicamente, toco o vazio, ou melhor, sou devorada por ele. Digerida pelo vazio pastoso e sempre em movimento do nada eternamente aqui. O vazio é um não-lugar, um verbo de acções mudas, tons cinzentos, cores invisíveis e um pulsar profundo e lento....

A meio do caminho

A meio do caminho

A meio do caminho Temos de nos encontrar a meio caminhoNão posso fazer o caminho de voltaOs pés coração seguem a melodiaPercorrem o pulsar da profundidadeEm reverênciaPor issoTemos de nos encontrar a meio caminhoMeios vestidos e meios despidosEm estranheza e...

A Cova

A Cova

A Cova Curvada na covaJoelhos flectidosVulva no chãoAgachadaMãos em concha Que bebasQue seguresQue amparesQue partilhes Que sulquesQue amanhesQue tapes Que semeies Peito entre as pernasPés plantadosRitmos antigosSussurrosCurvada na covaMãos em concha Quanto...

Tu és a Terra

Tu és a Terra

Tu és Terra Adaptado de Aubrey Marcus (adicionei o óvulo e retirei conceitos com os quais não concordo de todo, tais como "ser feito do nada", de "partes" mecanicistas, assim como a ideia de sermos o animal "mais avançado da terra" que substituí por "corpo mamífero")...

De todas as linhas que tinhas nas mãos

De todas as linhas que tinhas nas mãos

De todas as linhas que tinhas nas mãos Quantas te fugiram?Quantas se partiram?Aquelas que se esgaçaramE ainda as que se romperam. ~ Das linhas que ficaramQuantas cortasteAmarfanhasteEnrolaste - Quantas linhas agarraste?PuxasteEsticaste ~ ApenasPara...

O Acto Sagrado de Dissolver

O Acto Sagrado de Dissolver

O Acto Sagrado de Dissolver O corpo polimorfo dissolve-se e rasga-se.Transforma-se e desmantela-se.Dissipa-seDesamarraDesmembraDesintegra-se O corpo polimorfo precisa de metamorfose para se manter inteiro.Para se fundir com a Vida.Para se agregar ao solo.Para quebrar...

Que amor te trouxe aqui?

Que amor te trouxe aqui?

Que amor te trouxe aqui? Pergunto-me enquanto o meu coração bate forte no peito. Que corpo me ancora? Respiro mais devagar. Sem pressa. Todos os dias, todos-os-dias, penso em sair das redes sociais. Redes que me aprisionam, cansam, distraem e consomem. A maioria do...

Oração Chão-Coração

Oração Chão-Coração

🫀ORAÇÃO CHÃO-CORAÇÃO {Oração adaptada para o livro O Santuário}   Permitimos o fluxo no movimento do corpo Encontrando uma posição que adentre Saímos da intensidade e tirania da visão Mexendo os ossos e músculos Tornando a respiração mais funda e mais...

E se, quando perdemos coisas ininteligíveis, nos desfazemos?

E se, quando perdemos coisas ininteligíveis, nos desfazemos?

Inteligibilidade e comunicação com os mais-que-humanos.
Relativamente a profecias, adivinhas e parábolas e à forma como tocam o coração.
Sobre nem sempre ser claramente compreendido, nem compreender tudo linearmente.
Sobre a necessidade profunda de ser genuinamente indecifrável e ininteligível.
Sobre a mudança de forma através do discurso vivo centrado em contextos reais.
Acerca do paradoxo necessário das raízes contextuais abertas.
Sobre deixar cantar a escuridão.

Oração ao Ar que nos compõe

Oração ao Ar que nos compõe

Oração ao Ar que nos Compõe {adaptado para o livro O Santuário, originalmente deste artigo} Abrimo-nos ao ar que nos compõe.Sentimos a sua textura.A sua temperatura.Sentimos a sua presença viva, a sua troca constante.O ar que nos envolve dentro e fora.Trazemos a nossa...

Os Outros

Os Outros

❤️ Hibridização ou absolutismo – Os Outros ❤️ Atravessar o abismo das perspectivas culturais hegemónicas afasta-nos do absolutismo, fazendo-nos cair de joelhos, uivando para a vida. Os “outros” são um instrumento antigo de absolutismo...

🌳 Vários livros de diversos territórios, lugares de resgate da polimorfa Imanência. 

Peregrinações caleidoscópicas em profundidade, às raízes da identidade moderna, em todos os seus preconceitos, intrínseca violência e absurdas limitações. Diferentes jornadas de amor pela poesia da complexidade, da diversidade e da metamorfose. Tecelagens de histórias vivas que nos recordam do que esquecemos, da sacralidade do chão e da Vida. Complementos ao vício da transcendência, em rigor e responsabilidade.