Sofia Batalha

Colecção da Casa Simbólica 

Curso de Feng Shui

Quando iniciamos o estudo de feng shui começamos a ter noção de que forma o ambiente que nos rodeia nos influencia, não só externamente mas também internamente. Começamos então a querer usar o espaço de forma mais plena e consciente. A forma como guardamos os nossos pertences começa a ser percebido como uma real influência na vida.

Uma das perguntas que me fazem bastante nas aulas e formações desta arte é “Qual o melhor local para guardarmos os sapatos?”
Há quem tenha mais pares de sapatos, como botas, ténis ou chinelos apenas para falar de alguns, pois existe uma variedade imensa de sapatos que precisamos de guardar.

 

Uma sociedade abundante!

Antes de avançar para o mundo dos sapatos é preciso falar de duas questões principais. A primeira é que vivemos num contexto de uma sociedade bastante desequilibrada a nível da abundância. Quero com isto dizer que todos nós possuímos coisas a mais, todos nós temos, não apenas sapatos a mais, mas roupa a mais, ferramentas a mais, mais de tudo. As nossas casas, mais do que nunca, são sem dúvida um local de depósito de tudo o que possuímos. E possuímos muita coisa!
Originalmente as questões de arrumação não faziam parte do âmbito do feng shui. A prática original refere-se à procura de equilíbrio na medição e intervenção na qualidade e quantidade de energia emanada pela terra. No entanto, hoje em dia, por nos inserirmos numa sociedade em pleno desequilíbrio, a arrumação tornou-se um aspecto que faz parte de prática do feng shui contemporâneo. Por todos possuirmos grandes quantidades de coisas torna-se fundamental encontrar novas técnicas de arrumação, de categorização e de limpeza.
Em vez de dois pares de sapatos, podemos ter sapatos para cada estação. E são quatro estações. Se tivermos no mínimo três pares por estação ficamos com doze pares de sapatos, que são vinte e quatro sapatos a arrumar em condições. Se numa casa viverem quatro pessoas, cada uma com os seus três pares por estação ficamos no total com quarenta e oito pares de sapatos num total de oitenta e quatro sapatos. Quase que dá para manter uma centopeia calçada durante o ano inteiro!
Sejam vinte e quatro sapatos, sejam oitenta e quatro, temos de ter espaço (e tempo!) para os arrumar de forma a que se mantenham limpos e em bom estado.

 

Simbologia dos Sapatos

A segunda questão relaciona-se com a simbologia referente aos sapatos. Simbologia essa que difere de cultura para cultura e de tempo para tempo.
As pessoas usam uma grande variedade símbolos para se identificarem com o mundo à sua volta, desde os gestos aos símbolos religiosos. Os símbolos funcionam de forma muito profunda e subliminar não sendo directa sua interpretação.
Todos temos em nossa simbologia pessoal à qual acedemos através de sonhos, de afinidades com tipos de imagens e conceitos específicos, de padrões, texturas ou formas, apenas para nomear alguns. Encorajo todos descobrir sua própria linguagem simbólica, os seus próprios significados interpretações, de forma a aceder camadas mais profundas de si próprios.
Simbolicamente os sapatos têm significados contraditórios, pois tanto podem significar autoridade e poder como humildade e serviço. Em tempos antigos, quando nem toda a gente tinha oportunidade de usar sapatos, estes significavam riqueza, liberdade e conforto mas também vaidade, arrogância e autoridade.
Talvez a simbologia mais adaptada aos tempos que correm seja o facto de os sapatos nos permitirem caminhar em segurança e conforto. De forma confortável, de maneira mais atlética ou com mais classe. O que interessa realmente é que hoje não andamos descalços e os nossos sapatos são a ferramenta que acompanha e mantém seguros os nossos pés enquanto caminhamos e construímos activamente nosso dia-a-dia e vivemos a vida.
Em função das actividades que vamos tendo ao longo do dia assim nos calçamos em conformidade. Podemos começar o dia de pantufas, calçar os ténis para activar do corpo, usar sapatos mais confortáveis ou mais clássicos que nos acompanhem nas restantes actividades diárias.
Os sapatos mesmo que estejam guardados têm memória do andar, de caminhar, da acção e movimento dinâmico do dia a dia. Contêm si, mesmo que guardados e inactivos, energia yang, energia de actividade e movimento.
É muito importante fazer uma limpeza dos sapatos que já não usamos pois eles contêm o eco dos caminhos que já não queremos percorrer. Há sapatos que ficam para vida mas há sapatos que estão de passagem na nossa vida. Devemos optar por sapatos de materiais naturais e que sejam naturalmente confortáveis ao nosso pé e ao nosso andar. Escolhendo também sapatos de materiais duráveis.
Seguida iremos listar as zonas onde poderemos guardar sapatos em casa. Uma vez que ao termos apenas dois pés teremos no mínimo onze pares, ou seja, vinte e dois sapatos por guardar.

 

Quarto

É muito comum guardarmos sapatos no quarto. Seja no guarda-roupa ou debaixo da cama. A ter sapatos no quarto é melhor que seja no guarda-roupa que debaixo da cama. Devido à energia dinâmica do caminhar que eles representam, a sua energia yang em potência, os sapatos são um elemento demasiado activo para guardar debaixo da cama. Potenciando noites mal dormidas e agitadas.

 

Entrada

Muitas pessoas descalçam-se ao entrar em casa, por isso podem guardar grandes quantidades de sapatos na entrada. Os sapatos que estão guardados na entrada devem ser apenas os que estão do uso na estação presente, pois de outra forma corre-se o risco de bloquear o fluxo natural de entrada pela presença demasiados sapatos. É mesmo importante não ter à entrada de casa sapatos que já não se usem, pois simbolizam caminhos já não percorridos, tornando difícil dizer, fechar ciclos ou processos de decisão.

 

Corredor

Muitas pessoas têm sapateiras no corredor e se o corredor for bastante comprido tem muito espaço para sapateiras. O corredor deve ser uma zona de passagem onde a energia deve fluir de forma funcional para que os habitantes consigam aceder às várias zonas da casa sem entraves. Armazenar demasiados sapatos no corredor, ou num hall de distribuição interna, pode gerar a sensação de que estamos sempre a correr para todo lado, ficando com ideia que o tempo é curto para tudo o que temos que gostaríamos de fazer. Se for o único local que tem para guardar os seus sapatos por favor liberte-se dos pares que já não usa, de forma prazer uma energia mais permanente estável à sua vida.

 

Atrás da porta

Muitas vezes, por falta de espaço, o local aparentemente morto atrás das portas é também usado como local de armazenamento. No entanto quando arrumamos coisas atrás das portas elas deixam de abrir completamente. As portas simbolizam os nossos processos de mudança, a nossa capacidade alterar a vida, devem por isso ter possibilidade de abrir completamente.
Quando temos sapatos arrumados atrás da porta, apesar da sua energia yang e dinâmica, eles representam também caminhos não percorridos ou não activos o que entra em contra-senso com energia de mudança trazida pelas portas. Com muitos sapatos arrumados atrás da porta as mudanças na vida podem ficar lentas ou mesmo bloqueadas.

 

Despensa

Por outro lado despensa pode também ser um local de armazenamento de sapatos. O problema é que despensa é um local de armazenamento de tudo um pouco. O que deixa sua energia bastante dispersa mas confinada.
A despensa simboliza as nossas crenças internas, as nossas cristalizações e coisas por dizer. Demasiados sapatos na despensa, principalmente quando guardados na prateleira de cima, podem criar uma energia de indecisão ou dispersão. Uma sensação de querer fazer tudo sentir que não se faz nada.
Em termos ideais a despensa deve conter apenas comida. No caso de não haver outro local para guardar os sapatos é aconselhável que se diminua a quantidade de sapatos lá arrumados.

 

Então qual o melhor local para guardar os sapatos na minha casa?

Na verdade há apenas dois locais que se devem realmente evitar: debaixo da cama e atrás das portas. São locais que, com demasiada arrumação, melhor dizendo com demasiadas coisas, condicionam de forma severa o fluxo harmonioso no espaço, confinando por isso a vivência dos habitantes.
Onde quer que guarde os sapatos é importante que não sejam demais. Lembre-se que sapatos que já não usa representam caminhos e direcções que já percorreu mas que já não fazem sentido. Guardar estes sapatos não usados pode propiciar uma repetição de padrões na vida.
Calçe-se bem e confortável, caminhando de forma segura plena na vida!

artigo publicado no sexto número da Revista Vento e Água