Curso de Feng Shui

Das várias definições de feng shui uma de que eu gosto por ser simples e abrangente é a seguinte: ‘feng shui é o estudo da relação entre as pessoas e o ambiente em que vivem’.

As abordagens de feng shui mais contemporâneas têm um grande foco no interior da casa, na sua estrutura, no que lá é colocado em termos de objectos, mobílias, cores, no que acumulamos e no que temos menos. Na antiguidade o foco ia para a escolha de um local auspicioso para a construção de uma casa.
Aspectos como a existências de cursos de água, que lhes trariam uma energia activa capaz de promover a sua prosperidade, de montanhas para protecção da casa e consequentemente dos seus habitantes, eram elementos da maior importância para povos em que as condições de vida não estavam garantidas à partida, em que a exposição a tempestades, guerras e outras vulnerabilidades era uma realidade com a qual tinham que lidar, em que a vida não tinha a constância e estabilidade que tem hoje. Apuraram por isso a capacidade de colocar a energia vital emanada pela terra ao seu favor, estudando de igual forma a energia dos céus e a forma como a mesma se expressava na terra.

Mesmo em ambiente urbano, em que tudo já está construído e ‘só’ nos resta escolher o apartamento em que queremos viver, o estudo da forma exterior ´é também da maior importância: permite-nos caracterizar e avaliar a qualidade energética da habitação, uma qualidade que é externa, mas que simultaneamente sintoniza connosco na medida em que somos atraídos para determinado espaço. Em conjunto com o estudo da direcção é possível identificar as áreas da nossa vida que poderão ser mais problemáticas e as que são mais beneficiadas. O estudo da forma exterior permite-nos assim ter uma visão macro das influências que afectam a nossa vida, e na medida em que isso seja possível ou importante, efectuar escolhas em função dessa consciência.