Sofia Batalha, a formadora

Coleção Casa Simbólica

Curso de Feng Shui

Como o Feng Shui pode contribuir para o nosso bem-estar?

Ao alterar a vibração da nossa casa podemos favorecer um estado de espírito mais harmonioso e equilibrado

Frequentemente sou questionada sobre “como o Feng Shui pode contribuir para o bem-estar” de alguém e o que pode esta arte fazer pela vida de cada um.

Para começar, é importante perceber que estamos rodeados de coisas: mobílias, objectos, decorações, candeeiros, cortinados, etc.. A nossa casa é um depósito mais ou menos consciente das nossas memórias, emoções e vibração.

Visão intuitiva do Feng Shui sobre a casa

Numa visão intuitiva do Feng Shui, a nossa casa é considerada uma extensão de nós próprios, ou seja, uma segunda pele, onde (idealmente) nos podemos expressar inteiramente – quer relativamente às nossas alegrias e potencialidades, quer quanto às nossas tristezas e desafios.

Tal como nós, também a casa é cíclica e mutável. Isto é, nós não a vivemos sempre da mesma forma, nem a sentimos sempre do mesmo modo. Tal como nós, a estrutura que habitamos, transmuta-se e transforma-se. Neste sentido, nós, os habitantes e guardiães do espaço privado, sentimos as suas fases de expansão e contração, através da forma como usamos o espaço – seja de forma mais fluída, ou controlada. Mais presente ou fugidia. Mais activa ou passiva.

A nossa casa está lá para ser vivida, usufruída e explorada.

Assim sendo, quando a nossa casa está em equilíbrio, esta apresenta uma maior capacidade para nos amparar em momentos mais vulneráveis ou desafiantes.

Então, de que forma a podemos viver melhor? E por viver melhor queremos dizer de uma forma mais leve, fluída e empoderada?

Deixo-vos quatro sugestões para tornarem a vossa casa mais harmoniosa e equilibrada e logo verão como o Feng Shui pode contribuir para o nosso bem-estar:

  1. Todas as divisões devem ser vividas – A casa enquanto ser integrado, tal como um corpo, deve ser inteiramente vivida. Evite ter divisões que não usa ou que não têm uma função clara. É preferível ter uma casa mais pequena do que ter uma com várias divisões que não usa. As divisões não usadas representam áreas da vida às quais não conseguimos chegar, dar atenção ou activar. Diga-me: usa todas as divisões da sua casa?
  2. Usar materiais naturais – Como vivemos numa sociedade urbana tão poluída, é imprescindível o uso consciente de materiais naturais no nosso espaço. Opte por usar materiais que provenham de fontes justas e responsáveis ambiental e socialmente. Os materiais naturais têm uma vibração mais saudável, constante e completa, do que os materiais processados ou industrializados. Assim sendo, tornam o nosso espaço mais simples e mais leve. Aqui fica uma dica: optar por dormir em lençóis de algodão orgânico é um bom começo.
  3. Expresse-se livremente na casa – A sua casa é como a sua segunda pele. Logo, é o local onde tem de se sentir livre e confortável. Liberte-se, abra as janelas, deixe o ar fluir e activar o espaço, arranje espaço para dançar, termine com as regras!
  4. Atenção aos pormenores – Muitas vezes, a nossa casa fala connosco. Por isso, preste atenção: ouça-a! Torneiras que pingam, uma lâmpada que funde, bolor ou plantas que morrem sem razão aparente são pequenos sinais – pequenas mensagens. Somos cocriadores da nossa vida em conjunto com o nosso espaço e compete-nos a nós saber mantê-lo e arranjá-lo sempre que necessário. Se há problemas, resolva-os, ou verá que têm uma maior influência na sua vida do que julga!

 

 

*Artigo “Como o Feng Shui pode contribuir para o nosso bem-estar?” escrito para a revista Reiki a Yoga Pocket número 5 de Fevereiro 2019