Uma Casa Feliz

Coleção Casa Simbólica

Sofia Batalha, a autora

Curso Feng Shui Lunar

Curso de Feng Shui no IMP

Vivemos em tempos extremos. Passamos os dias a correr em função do que deve e tem de ser feito. Arcamos com demasiadas responsabilidades. Permitimos que o nosso tempo, o que temos de mais valioso, passe veloz e aos trambolhões, sem tempo para estar, ser, contemplar ou observar.

Ao final do dia chegamos a casa cansados depois de uma saída de manhã à pressa. Chegamos ainda com tarefas a cumprir, mas já de ombros baixos e olhar fatigado.

É urgente resgatarmos a nutrição da alma, convidando momentos e rituais nutridores para a nossa casa. Criando conexão sem tempo. Acolhendo a vida e a casa com carinho.

É urgente cuidarmos de nós, do corpo, da casa e do planeta.

A consciência e prática do Feng Shui, enquanto disciplina de conexão à terra pode ajudar. Ajuda na presença e enraizamento. Na consciência do lugar.

Mas como poderemos assumir essa sagrada prática de auto-cuidado no nosso dia a dia sobrecarregado de responsabilidades, tarefas e afazeres? Como poderemos convidar o estado de graça a conviver connosco na Casa e na Vida?

Sugiro três práticas de auto-cuidado na casa e na vida.


SIMPLICIDADE

Simplificar é fundamental.

A arte de simplificar a casa e a vida traz clareza, facilidade, genuinidade e naturalidade.

Ficamos mais espontâneos. Há uma pureza inerente à simplicidade.

Reflicta sobre o que consegue simplificar na sua rotina diária, retirando o que é supérfluo e que lhe consome tempo e energia. Talvez possa preparar algumas tarefas previamente, permitindo uma maior fluidez nos momentos de entrada e saída de casa. Talvez possa não ter de fazer tudo. Sinta o que pode deixar de ter ou executar.

 

TEMPO E ATENÇÃO

O tempo é a pulsação da vida. Ciclicamente mutável, sempre em transição, sempre de passagem. Por outro lado, a nossa vida decorre de onde colocamos a nossa atenção. E para isso precisamos de tempo. A atenção é algo muito valioso, mas precisa de dedicação e compromisso. De presença.

Ao sairmos cedo e entrarmos tarde em casa, não dedicamos ao nosso espaço a atenção necessária. Não nos dedicamos o cuidado necessário.

Sendo os habitantes quem activa o seu espaço privado, se não estiverem presentes em casa não o conseguem fazer.

Sinta onde e como poderá reservar algum tempo e atenção para si e para a casa. Atenção à casa não é apenas fazer tarefas domésticas. Mas estar. Desfrutar do local. Permitir-se usufruir das zonas que gosta em casa. Sentir e pensar como as melhorar, o que faz falta, o que mudar, naturalmente, ecologicamente e sem desperdício. Pois quando melhoramos a casa melhoramos a vida.


GRACIOSIDADE

A graça nasce da atenção dedicada a algo. Sem atenção à casa não nos convidamos a uma vivência em graciosidade.

Viver a vida e a casa em graciosidade é experienciar a delicadeza e gentileza do local. Ao convidar a graça para habitar connosco convidamos também a suavidade, a subtileza e a beleza. A casa fica leve e em gratidão.

A comunicação entre os habitantes melhora, com simpatia, estima e boa vontade.

Uma casa graciosa ajuda a uma vida inspirada e conectada, onde cada momento é sentido como uma dádiva.

Permita que a graça habite o seu espaço através da beleza das coisas simples, pela presença dos ocupantes e pela atenção que lhe dedica.

Pense como pode convidar este estado inspirado para a sua casa. Pode criar um cantinho ou ritual especial dedicado à poderosa beleza subtil do presente. Em estado de graça.

 

Artigo originalmente escrito para a Revista Vento e Água – Feng Shui LifeStyle, número 14