Almada-20140903-01175 (Aluna FSFeminino)
Mulher conectada e profunda que procura a sua integralidade. Procura ajudar as mulheres na sua conexão com o corpo. Associou ao seu trabalho corporal, emocional e espiritual os conceitos do FSFeminino.

Nome: Tamar
Nome do projecto: O Mel da Deusa – Sexualidade sagrada para mulheres
Website: www.facebook.com/omeldadeusa
Email: omeldadeusa@gmail.com

O que te fez interessar por Feng Shui?
A possibilidade de explorar intuitivamente, articulado com os ciclos da terra e do feminino (a abordagem clássica do feng shui nunca me despertou o interesse de querer saber mais).

Como foste seguindo os passos da formação? O que te fez sentido e o que não?
Os passos foram todos importantes e coerentes, do ponto de vista da sua abordagem sequencial e interligada, portanto todos me fizeram sentido e contribuíram não só para a compreensão, como para a própria apreensão, possibilitada pelos momentos vivenciais e práticos.

De que forma mudou a tua vida?
O aspecto mais rico do Feng Shui nesta tua abordagem, Sofia, foi a da sensação de estar em casa na abordagem da casa: finalmente, uma forma e um conteúdo orgânico, cíclico, criativo, sábio e tão pessoal, ao mesmo tempo que transpessoal. Dotou-me da consciência da casa como uma expressão de mim, do meu corpo e do caminho de vida, reforçou a importância de trabalhar consciente e intencionalmente com o ritual e despertou ainda mais significado ao poder dos símbolos. Ir para a minha casa é agora ir para dentro de mim, para um lugar sagrado e natural e descobrir, sendo. E como torna mais fácil, deste modo, encarar as tarefas domésticas rotineiras!

Queres partilhar alguma história sobre a aplicação do Feng shui na tua vida? O que resultou, o que não resultou?
Sinto que é um trabalho progressivo e “lento”, mas ao mesmo tempo imediato naquilo que são sincronicidades e manifestações. Há o famoso cato que já estava desde sempre na zona 2 da 6 e que, após o workshop, coloquei no centro de um altar feito nessa e para essa mesma zona, como símbolo do falo masculino, com a intenção de cura do meu masculino e das relações com o masculino (amorosas, pai e trabalho). Passado pouco tempo, começa a definhar, não fui capaz de o tratar e intensificam-se desarmonia, conflitos e intolerâncias na minha vida prática relacionados com o masculino. Não o conseguia tirar de lá, contudo. Um dia chego a casa e é ele que está caído e meio desenvasado já, morto. Sorrio em respeito por esta acção direcionada e concreta do masculino e enterro-o num espaço sagrado para mim. Só umas semanas depois fui capaz de lá colocar outro cacto idêntico (assim tinha de ser, disse a intuição), renovando as mesmas intenções. Este aparenta estar a morrer ainda mais rápido que o outro, justo num momento em que me sentia profundamente empenhada no trabalho de acolhimento e reintegração da energia masculina. Senti, então, como alerta, como um: “confias ou não na magia da regeneração?” Renovei, então, o altar com símbolos do feminino, ritualizei diariamente e depois nas fases da lua e do meu ciclo, doei-lhe o meu sangue menstrual e ele a morrer e eu a sentir amor, tanto amor. Não chegou a morrer, mas também não deu a flor vermelha pujante que encima o seu tronco. Não me importei, estava vivo e vivo continuava. A acrescer, diversas manifestações bloqueadoras na zona 6: lâmpadas a fundirem-se; lavatório a entupir-se e condutas a abrir-se; máquina de lavar roupa a não fazer, pontualmente, a centrifugação completa. Então, um dia desta primavera percebo uma pequenina ramificação fina, estilo falo-bébé a sair do seu tronco e sorri, uma vez mais. Hoje são várias ramificações já nele e na minha vida, belas, fortes mas suaves, renovadas, em crescimento. Como a minha zona 6, como a minha casa. Como eu.

Queres deixar algumas palavras para quem se interesse por Feng Shui?
Mais do que seguir o conhecimento ancestral desta ferramenta, abre-te à possibilidade de tu própri@ saberes, intuíres, visionares o que para ti faz sentido e como, a partir das bases que aprendeste. Sabedoria também é questionar, errar e voltar a experimentar. Depois partilha, porque assim inspiras-nos a abrir e a partilhar igualmente.

Das formações da Serpente da Lua® que participaste qual a que te fez mais sentido? Porquê?
Apenas participei no Feng Shui Intuitivo Feminino, pelo simples motivo de que… não dá para tudo.

O que tens incorporado na tua prática pessoal e profissional? (desenho emocional da casa, conceito de espaço emocional, simbologia pessoal, ciclos lunares ou femininos…)
Profissional – ciclos lunares e femininos e aferição de como é a zona 2, 6 e 9 das casas das clientes.
Pessoal – rituais, fazer perguntas à casa, trabalho com símbolos, práticas conscientes alinhadas com o meu ciclo menstrual.