Raquel Part II-84

(Aluna da ENFS)

Aluna dos 3 anos do curso curricular na ENFS.

Nome: Raquel Santos
Nome do projecto: Feng Shui Decor
Email: santos.mrd@gmail.com

 

O que te fez interessar por Feng Shui?

O meu interesse por Feng Shui despertou, sobretudo, após ter terminado a licenciatura em Design de Interiores. Pensava eu que ia aprender mais umas coisitas de decoração para juntar ao que já sabia. Como estava enganada… E ainda bem, porque acabou por ser muito melhor do que isso!

Como foste seguindo os passos da formação? O que te fez sentido e o que não?

Primeiro comecei por ler livros, como quase toda a gente faz. No entanto, muito cedo percebi que os livros já não chegavam para responder a todas as minhas perguntas (já para não falar de certas informações que lia e que à primeira vista parecem contraditórias para quem não é um entendido no assunto). Depois decidi ir um pouco mais à frente fazendo um pequeno curso com uma amiga que estava a estudar Feng Shui. De princípio fiquei entusiasmadíssima, mas no final fiquei com a sensação do “soube-me a pouco”. Foi então que arregacei as mangas e disse para mim mesma que ia tirar um curso “à séria”. E daí até ter entrado para a Escola Nacional de Feng Shui foi um saltinho.

De que forma mudou a tua vida?

Não tenho palavras para descrever! Mudou e muito! Primeiro ganhei uma consciência de mim mesma e da minha vida (padrões, etc.) de uma forma que eu não estava à espera. Nunca pensei que num curso de Feng Shui eu fosse olhar… para dentro! E foi essa nova consciência, juntamente com a experiência de sentir na pele as curas do Feng Shui, que me permitiu mudar de vida quando finalmente descobri o que queria para mim e para a minha vida. Desde redefinir a minha situação profissional até curar questões do passado, a minha vida tem mudado muito.

Queres partilhar alguma história sobre a aplicação do Feng shui na tua vida? O que resultou, o que não resultou?

Sim. Quero contar uma que teve um grande impacto na minha vida. Durante o primeiro ano do curso, e depois da nossa primeira aula com a Sofia Batalha, decidi ter com ela uma consulta de Feng Shui Simbólico em minha casa. Entre as várias coisas que queria resolver na minha vida, decidi começar por mexer nos “cordelinhos” da materialização financeira. No entanto, ao trabalhar neste eixo, tive que passar obrigatoriamente pelo sector que atribuímos ao nosso passado e à nossa família. Quando dei por isso, tinha finalmente conseguido resolver uma situação do passado bastante dolorosa para mim. Foi aí que percebi como tudo está interligado, e que por mais que queiramos avançar com a nossa vida às vezes fica difícil quando atrás de nós carregamos uma mochila que nos pesa muito.

Queres deixar algumas palavras para quem se interesse por Feng Shui?

Sim. Gostava de aconselhar as pessoas interessadas no Feng Shui para não se ficarem apenas pelos livros. Há um conhecimento muito mais vasto e rico à vossa espera que vos pode ajudar a resolver muitas questões com as quais se deparam frequentemente. As já velhinhas perguntas – “porque é que estas coisas só me acontecem a mim?” ou “porque é que isto me está sempre a acontecer?” – têm efetivamente uma resposta, que o Feng Shui pode ajudar a descobrir.

Das formações da Serpente da Lua® que participaste qual a que te fez mais sentido? Porquê?

Participei no curso de Feng Shui Simbólico que está inserido no curso geral de Feng Shui da ENFS. E, junto com a consulta que fiz com a Sofia, foi todo um novo mundo que se abriu perante mim. O Feng Shui Simbólico dá-nos uma nova forma de olhar para a nossa casa, permitindo-nos ver tudo aquilo que está dentro de nós (isto é, no nosso subconsciente), e curar o que tem de ser curado. E o que está dentro de nós é tão simplesmente a causa e a resposta a todas as nossas dúvidas e situações boas ou menos boas que nos acontecem na vida.

O que tens incorporado na tua prática pessoal e profissional? (desenho emocional da casa, conceito de espaço emocional, simbologia pessoal, ciclos lunares ou femininos…).

Primeiro, e mais do que tudo, tenho estado muito mais atenta à minha casa e a tudo o que a ela diz respeito. A consciência agora é de tal forma que às vezes até fico arrepiada com as coisas com que me deparo. Ainda no outro dia estava a arrumar umas fotos da minha infância, quando reparei nos objetos decorativos que costumavam estar pendurados na lareira da sala da casa dos meus pais antes deles se terem divorciado (sala essa que fica no chamado sector dos relacionamentos). Sempre olhei para estes objetos como se olha para outra coisa qualquer que decora a nossa casa, mas agora o impacto que tive foi assustador. De repente, percebi como estava escarrapachado naquela lareira tudo aquilo que se vivia naquela casa, e de como não havia qualquer dúvida de que o divórcio iria sair mais cedo ou mais tarde.