(Aluna FSFeminino e Fs Maternidade)
Mulher, doula, poderosa e intuitiva. Reclama o poder do corpo e usando o FSFeminino como uma das suas ferramentas de conhecimento, ajuda outras mulheres no seu caminho.

Nome do projecto: Vivendo com a Lua
Email: inesccgduarte@gmail.com

O que te fez interessar por Feng Shui?
É difícil não se interessar por Feng Shui uma vez que se enreda pelos conceitos de energia. O meu percurso no desenvolvimento pessoal começou com o Yoga e foi uma coisa natural e consequente interessar-me por feng shui depois de começar com o yoga.

Como foste seguindo os passos da formação?
O que te fez sentido e o que não? Para contextualizar eu fiz uma formação de 1 fim de semana e depois uma formação on-line. Quando cheguei a casa depois do fim de semana uma das primeiras coisas que fiz foi perceber a energia da minha casa como uma pessoa que nunca a tinha visto. O exercício de andar nua para sentir a casa foram muito importantes para mim, bem como as folhas de inquérito que foram dadas. Estes foram os meus primeiros passos. Depois fui pensando e sentido que símbolos queria por e em que lugar/zona. Fazer o lunário foi também um dos primeiros passos. E enquanto olhava a casa e fazia melhorias muitas vezes de acordo com a minha Lunação interna. Percebi também mais sobre mim de acordo com o meu ciclo menstrual e que impacto tinha na minha casa. Fazer o wks de feng shui materno levou-me a trabalhar ainda mais sobre a minha simbologia e rever a casa.

De que forma mudou a tua vida?
Viver de acordo com a Lua permite ser mais eficiente e focada bem como mais tolerante comigo mesma. Trabalhar com a casa traz-me visão sobre o que devo mudar na minha forma de pensar e estar. Que zonas não estão bem e o que isso corresponde na minha vida e aquelas que estão. Informa-me que sou sempre um trabalho em progresso e que todas as coisas têm o seu tempo para serem feitas.

Queres partilhar alguma história sobre a aplicação do Feng shui na tua vida? O que resultou, o que não resultou?
Neste momento aquela que consigo perceber melhor do seu impacto na minha vida, foi numa altura em que não sabia muito bem o que fazer a nível profissional e pintei uma montanha num armário branco na cozinha na zona 1 e 2 meses depois estava a sair da aldeia onde vivia há 10 anos para voltar a Lisboa. Agora vejo que é para me focar mais naquilo que gosto de fazer, nas possibilidades de evoluir e também do retorno monetária que isso me pode trazer.

Queres deixar algumas palavras para quem se interesse por Feng Shui?
Usar o Feng Shui feminino é também empoderar o feminino em nós, a intuição, a emoção e o campo energético. É compreender-nos mais e mais e poder fazer magia no espaço e no tempo. É também acreditar na Magia daquilo que não pode ser explicado de uma forma cientifica e racional. Não desistem mesmo quando pensam que não está a funcionar. Está a funcionar, mas de uma forma muito mais subtil que possamos perceber.

Das formações da Serpente da Lua® que participaste qual a que te fez mais sentido? Porquê?
Ambas as formações foram importantes para mim. Aquela que teve mais impacto foi a primeira Feng shui feminino. O Feng Shui da maternidade deu-me a possibilidade de trabalhar com tempo, no tempo e de acordo com a Lua.

O que tens incorporado na tua prática pessoal e profissional? (desenho emocional da casa, conceito de espaço emocional, simbologia pessoal, ciclos lunares ou femininos…)
Incorporo todos esses conceitos que dás como exemplo: desenho emocional da casa, conceito de espaço emocional, simbologia pessoal e ciclos Lunares ou Femininos.

Aproveito esta entrevista para falar da minha última experiência com Feng Shui e da importância do conceito do espaço emocional. Como disse atrás mudei para uma casa em Lisboa em Janeiro de 2014. Esta casa é uma casa antiga (mais de 100 anos) com paredes de taipa e esteve vazia durante 5 anos até eu passar a viver nela. A casa estava em muito mau estado, paredes com rachas, a descamar, cheias de bolor e sujas, má canalização e chovia dentro da casa durante as tempestades. Ter limpado, picado parede, colocado massa e pintado paredes foi uma grande terapia para mim. Enquanto limpava e picava a parede sentia que limpava a nível emocional e poderia dizer também a nível karmico. Trabalhar desta forma em cada zona foi uma benção como também muito trabalho. Ultrapassar a barreira de o não conseguir fazer para estar feito deu-me uma grande sensação de concretização. E isto tudo numa sincronicidade incrível com o trabalho a nível de desenvolvimento pessoal. Aquele que mais me tocou foi estar a trabalhar o chakra da coroa (7º chakra) e estar a estocar o tecto do meu quarto. Ao picar uma parede de uma zona 2 e as minhas relações de amizade mudaram, algumas deixaram de existir e outras passaram a ser bem mais fortes. Assim o meu concelho é se tiverem a possibilidade de as fazer, façam porque vão descobrir muito mais acerca de vocês.