Na sociedade ocidental, onde nos inserimos, todos temos muitas coisas em casa e muito por arrumar e organizar.
A arrumação é por vezes um enorme desafio no nosso espaço privado, podendo haver zonas e alturas onde tendemos a acumular.

A desarrumação e acumulação também representam fluxos de espaço e tempo num espaço, pelo que não são de evitar e nem sempre representam algo negativo. A casa é para ser vivida e pelo caminho há sempre objectos, mobílias, ideias e outras questões em eterno movimento. Este movimento e transmutação é essencial à saúde dos espaços e dos seus habitantes.
Os problemas começam a surgir quando a acumulação ou desarrumação se perpetuam, cristalizando e bloqueando uma dada zona da casa e da vida.

É importante criar espaço para o chi fluir, abrindo canais de fluxo, por onde a energia vital flua pela casa alimentando todas as divisões de igual forma. Para conseguir esse fluxo é importante remover mobília ou objectos que estejam a mais e arranjar janelas ou portas que não abram.
Limpar a desorganização é uma forma de completar esta etapa.
Em muitos lares, o único grande problema é a desorganização. Ela bloqueia o fluxo natural pelo espaço, tornando-o pesado, letárgico e preso ao passado. A desordem torna muito difícil a limpeza.

A divisão da casa onde se tende a acumular mais facilmente tende a dizer muito sobre o processo actual dos habitantes. Esta informação deve sempre ser complementada com a zona energética, ou zona do Bagua, onde se encontra, assim como com o real uso da divisão em questão:

ENTRADA
Acumulação e desarrumação nesta zona da casa potencia que algum habitante se queira resguardar ou proteger do exterior, ou que não reconheça a sua camada mais externa.

ESCADAS
Acumulação e desarrumação numas escadas, não ajudando na circulação, cria uma quebra entre o passado e o futuro, parecendo que não há forma de materializar o futuro que se pretente.

CASA DE BANHO
Muita acumulação numa casa de banho põe em causa o tão necessário processo de libertação e renovação. Com esta divisão bloqueada toda a libertação emocional e material fica comprometida.

COZINHA
Uma cozinha caótica pode dar a sensação de uma vida sempre a correr, assim como adiamento de processos de auto-cura.

QUARTO
Acumulação e desarrumação em excesso no quarto de dormir, põem em causa a saudável reciclagem do sono, assim como uma saudável relação com o inconsciente e o lado sombra.

ESCRITÓRIO
Há dois tipos de escritório, um espaço de cariz mais racional e estruturado e outro de base mais criativa. O primeiro é mais comum. Com acumulação e desarrumação nesta divisão pode tornar-se dificil planear e ter “tempo”. O tempo pode tornar-se descontrolado e escasso para as várias tarefas a desempenhar ao longo do dia.

SALA
Um excesso de acumulação e desarrumação na sala não ajuda em processos de socialização, nem de descontração. A comunicação pode também ficar comprometida.

DESPENSA
Uma despensa demasiado cheia e desarrumada pode estagnar processos de planeamento e materialização ou uma tentativa de esquecer ou esconder algo.

CORREDORES
Corredores muito cheios que condicionam a circulação podem potenciar a sensação que as escolhas não são próprias, como se houvesse um empurrar constante.

ARMÁRIOS
Armários demasiado desarrumados ou cheios bloqueam zonas energéticas especificas onde se encontram.

CHÃO
Muita acumulação ao nível do chão indica uma falta de confiança nas fundações da vida. Pode haver uma necessidade extra de segurança.

PORTAS
Demasiada acumulação que condicione a abertura e passagem pelas portas interiores condiciona também processos de mudança. A mudança torna-se dificil ou mesmo quase impossível.

JANELAS
Desarrumação e acumulação que condicione as visibilidade, a entrada de luz ou a abertura das janelas, condiciona também a forma como os habitantes vêm a vida. Podem também não permitir serem vistos.